AECambuí | CDL
Associação Empresarial de Cambuí






QUEM SOMOS | SERVIÇOS | ASSOCIADOS | PROFISSIONAL AUTÔNOMO | EMERGÊNCIA CAMBUÍ | CONTATO
Ligue para AECambui » (35) 3431-3046
» Revista "O Empresário"
» Banco de Currículo
» Últimas Notícias
» A legislação e o empresário
» Auto-Ajuda
» Comportamento
» comunicação
» Conselhos Úteis
» Finanças ao seu alcance
» Jurisprudência
» Momento Empresarial
» Tipos de Consultas SCPC
» Vida saudável
» Turismo
» Fotos da Cidade
» Fotos dos Cursos
» Memória Viva





Revista O Empresário / Número 134 · Setembro de 2009



Muito já foi falado do impacto da crise econômica nas indústrias, empresas e países. Porém, pouco foi dito sobre seu impacto nas pessoas. Como a situação atual afeta nossa motivação interna? E, mais importante, como, efetivamente, lidar com isso?

O momento não está fácil. Os orçamentos estão sendo enxugados, os clientes estão se tornando mais seletivos e nossa autoconfiança vai diminuindo quando nos deparamos com questões de desempenho pessoal, organizacional e até mesmo de sobrevivência. Quando a verba é cortada, por um lado, pode resultar em um sentimento de alívio, pelo fato de que uma ação firme foi tomada, mas por outro, ainda perdura a necessidade de se produzir resultados.

E se os resultados não estiverem satisfatórios, a autoconfiança desaba novamente. Ou seja, de todo jeito, os cortes orçamentários afetam o desempenho dos colaboradores. Quando os clientes desaparecem, devemos perguntar a nós mesmos o que poderíamos ter feito de modo diferente ou concluir que não havia nada a ser feito.

Uma das conseqüências de uma recessão dessa magnitude é que somos forçados a enfrentar a incerteza. Ela provoca um aumento da nossa ansiedade e uma atitude de antecipar quaisquer ameaças. Assim, passamos a nos proteger através de nossos mecanismos de defesa. Mesmo que seja favorável estarmos mais atentos aos perigos e ameaças, surgem dois problemas. Primeiro, nossos mecanismos de defesa pessoal ficam ativados e segundo, deixamos de perceber as conseqüências negativas de se defender em excesso.

Uma liderança efetiva requer atenção e sensibilização de tudo que nos cerca. Durante a crise, o medo e a ansiedade provocam certas reações emocionais, portanto, precisamos estar muito mais sintonizados com nossas próprias e com as dos outros. Para o líder trabalhar em capacidade máxima, precisamos focar nas nossas emoções e também prestar mais atenção no que nossos pensamentos estão dizendo a respeito dessas emoções.
Então, como fazemos isso? Eu gostaria de apresentar seis áreas a serem focadas:

Seis reflexões

1. Sensibilização

Um dos perigos da ansiedade excessiva é que podemos perder a noção do que nos cerca. O impacto do estresse pode levar a ciclos viciosos de ações impensadas. Se nos mantermos sensibilizados, podemos perceber, durante a crise, que estamos apenas tendo pensamentos e emoções em detrimento de incerteza e ansiedade. Manter o foco permite que seu cérebro aceite mais informações externas e também otimiza sua reação a qualquer situação. A sensibilização ajuda a você entender melhor suas próprias motivações, o que está realmente acontecendo e o que está motivando as pessoas ao seu redor.

2. Empatia

Quando o ambiente cria ansiedade, nós, líderes, precisamos sintonizar nas emoções dos outros mais do que nunca e compreender qual é a necessidade fundamental. Algumas pessoas irão desejar ter mais segurança e estrutura durante a recessão, deixando claro que esta vontade básica não está sendo atendida. As emoções dos outros podem ser uma reação à necessidade de se ter mais reconhecimento, pois podem se sentir desvalorizados. Se você não perceber que as emoções muitas vezes são necessidades que não estão sendo atendidas, você pode interpretá-las mal ou tentar, erroneamente, animar a pessoa sem conversar sobre o que mais está precisando. Tente sentir o que realmente está acontecendo com as pessoas ao seu redor.

3. Seja receptivo aos outros!

Uma das maneiras de se reduzir a ansiedade é simplesmente estar disponível para seu pessoal. Esteja presente. Principalmente se você costuma exerce suas funções virtualmente. Essa crise deixa muitos funcionários desamparados, então eles precisam saber que você está por perto e seguro de si, absorvendo um pouco das incertezas. Você não precisa ser um herói ou mostrar quanto você é flexível ou forte. Apenas ajude as pessoas a perceberem que seus piores medos são simplesmente mecanismos de defesa, e que não necessariamente irão se manifestar. Esteja presente física ou virtualmente, as pessoas precisam sentir isso.

4. O diálogo é essencial

As pessoas precisam se sentir seguras e às vezes elas precisam apenas conversar com alguém para descobrirem o que está acontecendo com elas. A maioria de nós precisa estruturar os pensamentos e compreender as próprias emoções. A conversa é um modo de descobrir o que estamos sentindo. É importante também compartilhar as descobertas entre um grupo de pessoas. No entanto, fique atento, pois durante qualquer crise, conversas se transformam em discussões com grande freqüência. É uma reação normal à incerteza e ao estresse. Facilitar o diálogo é essencial para permitir que as pessoas reconheçam e aceitem as tensões existentes.

5. Ação em vez de inibição

A inibição é uma conseqüência comum do aumento da ansiedade. Quando começa a dominar a situação, ela se torna inimiga dos pensamentos de um líder. A recessão invariavelmente provoca ações desagradáveis, mal interpretadas ou maiores do que realmente são, impactando negativamente as pessoas. Mas é melhor dar pequenos passos a ficarem imobilizados pela ansiedade e incerteza da crise. Não importa o que seja – pequenos passos e realizações ajudam você e os outros a focarem suas energias no mesmo lugar.

6. Auto-renovação

Uma crise pode ser um bom momento para fazer perguntas a você mesmo e aos outros. Se houver tempo suficiente, teremos uma oportunidade para enfrentar situações que geralmente subestimamos. Pode ser uma atividade contra a vontade de alguns, mas, se for bem administrada, uma oportunidade como essa produz grande elasticidade durante a crise. Então separe um tempo com sua equipe e pessoal para questionar algumas suposições. A crise pode nos obrigar a ceder um pouco de nossa autoridade ou identidade. O que isto significa para nossas carreiras e para nosso "Eu"? Manter a mesma identidade que tínhamos durante épocas áureas é realmente importante?

Entender as reações internas durante essa crise é essencial para ser um líder eficiente. Compreenda as suas e as daqueles a sua volta, e você perceberá que será um líder melhor no final destes momentos difíceis.

Professor Ben Bryant é diretor do programa Mobilizing People (MP) e leciona no programa Orchestrating Winning Performance (OWP), no IMD.
(exclusiva no site)
Administração & Política
» O conselheiro
» O calote aumentou
» Lei eleitoral abre espaço para a internet
» Conhecer e tratar pessoas requer habilidade
Colaboradores
» As mãos de minha avó
» Equilíbrio
» Apenas amor
Comportamento
» Comentário de Max Gheringer
» Pinçados de Fernando Pessoa
» O descanso do presidente
» Manual básico para iniciantes
» Poema do amigo
» Os benefícios da podologia
» Cuidado com as emoções no trabalho
» Como é a personalidade do seu chefe?
» A chave do sucesso profissional
Comunicação & Internet
» Etiqueta ao celular
» O poder do WWW
» Entreouvido por aí
» Você faria isto?
» Lições úteis para o seu dia a dia
Empreendedorismo
» Como motivar sua equipe
» O microcrédito ficou melhor
» Exemplo de criatividade
» O cheque voltou
» Faça as perguntas certas ao seu cliente
» Os 20 mandamentos da boa gestão
Finanças
» Brasileiro fica vermelho no cheque especial
» Bancos manobram para não perder
» Marca pra mim
Humor & Curiosidades
» O Mala Man
» A vida de casada como ela é
» Responsabilidade
» Vendedor liso
» Funcionário sincero
» O empregado e o aumento
» Recrutamento e seleção
» Patrão sincero
» Dia de folga
» Valor do tempo
Jurisprudência & Segurança
» Carta para um bandido
» As coisas não andam bem para advogados quando...
» Jesus pode ser despejado
» Publicidade com conselho
» Estupradores beneficiados pela lei
Mercado de Trabalho & Educação
» De sardinhas a tubarões
» Crise pune menor escolaridade
» AECambuí oferecerá um curso inédito
Rapidinhas do Leôncio
» Notas de setembro
AECambuí | CDL - Associação Empresarial de Cambuí
Agência WebSide